Trabalhadores Atentos à Pressão dos Patrões Contra o Projeto de Lei das Gorjetas.

Segundo Antonio dos Prazeres, diretor financeiro do SINTHOREMS –(Sindicato dos Trabalhadores Hoteleiros de Campo Grande – MS) os trabalhadores estão atentos e mobilizados para que os senadores não cedam à pressão dos patrões que se posicionaram contra o projeto de lei das gorjetas.

As entidades do setor – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (Fohb), Associação Brasileira da Indústria Hoteleira (ABIH) e Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA) – posicionaram-se sobre o assunto. Roberto Rotter, presidente do Fohb e falando também em nome da ABIH, aponta que são favoráveis à regulamentação das gorjetas, mas que o projeto não beneficiará o setor hoteleiro, seus funcionários e as relações trabalhistas entre eles.

“O setor hoteleiro defende que o texto do projeto seja modificado de forma que cada empresa possa negociar diretamente com o sindicato da categoria, estabelecendo acordos coletivos entre eles”, diz.

Para o setor hoteleiro, uma vez que a gorjeta é custeada pelo cliente, ela não deve ser incorporada ao salário, pago pelo empregador.
Já a FBHA, questiona, entre outros pontos, o percentual de 20% a ser retido. “Este percentual não paga os custos que o empresário tem sobre os 10% cobrados”, diz Alexandre Sampaio, presidente da FBHA e do Conselho de Turismo da Confederação Nacional de Comércio, Serviços e Turismo (CNC). A entidade trabalha uma nova redação a ser proposta por meio de emendas ao texto aprovado, que deverá ser entregue aos parlamentares na próxima semana, quando os representantes dos 65 sindicatos associados deverão vir a Brasília para conversar com os senadores.