SINTHORESP FECHA NEGOCIAÇÕES COM CHAVE DE OURO

F E N O M E N A L

SINTHORESP FECHA NEGOCIAÇÕES COM CHAVE DE OURO

“Este foi o melhor acordo dos últimos 12 anos”. A frase é de Rubens Fernandes da Silva, diretor do Sinthoresp e um dos integrantes da comissão que representou os trabalhadores para discutir – com o setor patronal – os novos valores dos pisos da categoria. Na visão do diretor, além da luta incessante do sindicato na busca por maiores pisos e melhores condições de trabalho, finalmente os empresários perceberam que o atual momento pelo qual atravessa o país é o ideal para valorizar a mão de obra, que é incontestavelmente a maior fonte geradora de sua riqueza.

De acordo com o Diretor a assinatura do novo acordo foi importante, pois além de valorizar a mão de obra do setor também enaltece o trabalho da diretoria do Sinthoresp, que foi para a mesa de negociações disposta a não abrir mão de nenhum direito e ainda avançar nas conquistas.  “Conseguimos os dois”, comemorou Rubens.

Na verdade os empresários entenderam que o período é de extrema importância para a categoria como para o Brasil, que já sediou a Copa das Confederações e a Jornada Mundial da Juventude e está com suas portas abertas para receber turistas de todo o mundo para participarem da Copa do Mundo de Futebol e das Olimpíadas.

OS NÚMEROS

Com o fim das negociações os novos valores – segundo nos explicou o diretor Rubens Fernandes da Silva – foram esses:  o menor piso pulou de R$ 736,00 para R$ 827,50 (aumento real de 5.46%). Para aqueles que recebem o maior piso o aumento foi de 9.5%, que, descontados os 6,97%, de inflação, segundo o INPC dos últimos 12 meses,equivale a um aumento  real de 2.53%. O ticket refeição passou de R$ 11,05 para R$ 13,00 (aumento de 17,64%) além é claro, da manutenção de todas as cláusulas sociais das convenções passadas.

Com esses números o Sinthoresp mostra que continua sendo um Sindicato combativo, sem abrir mão de um diálogo transparente com o setor patronal. “Fomos para as duas reuniões decididos a não abrir mão de direitos e também mostrar aos empresários que há uma grande escassez de mão de obra no setor hoteleiro – motivados pelos baixos salários e pelas péssimas condições de trabalho”, falou Rubens.

A postura da comissão foi dura, sem abrir mão do diálogo. E Assim foi pautada a gestão Francisco Calasans Lacerda que encerra as negociações com chave de ouro.