McDonald’s decepciona e ação cai.

McDonald’s decepciona e ação cai

Por Anjili Raval | Financial Times, de Nova York

O McDonald’s, a maior rede mundial de restaurantes em termos de receita, registrou lucro líquido de US$ 1,4 bilhão, ou US$ 1,38 por ação, no período de três meses encerrado no fim de junho. O resultado é superior ao de US$ 1,35 bilhão, ou US$ 1,32 por ação, obtido no mesmo período do ano passado. Analistas previam lucros por ação de US$ 1,40.

A receita subiu para US$ 7,08 bilhões, mas ficou aquém dos US$ 7,09 bilhões projetados. Os resultados decepcionantes fizeram com que os papéis da empresa, sediada em Illinois, caíssem 3% no início do pregão de ontem.

A incerteza da economia mundial levou muitos consumidores a controlarem mais os seus gastos, disse Don Thompson, que assumiu o cargo de CEO da empresa no terceiro trimestre do ano passado. “Com base nas recentes tendências das vendas, nossos resultados para o resto do ano deverão continuar deficientes”, acrescentou ele.

O McDonald’s tentou atrair clientes por meio de produtos de menor preço, como suas opções Dollar Menu nos Estados Unidos e suas refeições combo na Europa, num momento em que enfrenta o acirramento da competição da parte de seus concorrentes.

Burger King e Wendy’ s reformularam seus cardápio sob nova direção, enquanto a Taco Bell, controlada pela Yum Brands, experimentou um grande impulso com o lançamento de novos produtos. O McDonald’s também tenta se adaptar à mudança dos hábitos alimentares por meio da oferta de opções mais saudáveis.

Embora as ações da empresa tenham tido valorização de mais de 13% até esta altura do ano, sua alta perdeu para a do mercado como um todo e para a obtida por alguns de seus concorrentes.

Os papéis do Burger King subiram cerca de 20%, enquanto os da Wendy’s aumentaram quase 22% de valor.

As vendas mundiais nas lojas operantes há pelo menos 12 meses tiveram expansão de apenas 1%. Os analistas tinham previsto um aumento de 1,5% para esse quesito.

Nos Estados Unidos as vendas aumentaram 1%, mas caíram 0,1% na Europa – os resultados na Alemanha e na França comprometeram os do Reino Unido e da Rússia. Na Ásia, Oriente Médio e África as vendas recuaram 0,3%, principalmente devido à fragilidade de China, Austrália e Japão. [A Arcos Dorados, responsável pela operação da marca no Brasil, divulgará resultados em 6 de agosto]