Trabalho infantil, neoliberalismo e cobiça

Hedelberto López Blanch

A pandemia covid-19 revelou com força que as verdadeiras causas pelas quais sobrevive grande parte da população latino-americana se devem fundamentalmente aos sistemas capitalistas neoliberais implantados na região.

Os responsáveis ​​diretos são os regimes de direita, muitas vezes chefiados por milionários ou políticos liderados por Washington, que cumprem todas as leis de controle financeiro e econômico promovidas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo Banco Mundial (BM).

Um dos setores sociais mais atingidos pela crise econômica mundial e pelas políticas de globalização neoliberal e privatizações que explodiram nos últimos anos foi o das crianças.

A América Latina e o Caribe, por seu histórico de desigualdades, serão uma das regiões mais afetadas pela pandemia no mundo. Diz-se que a América do Sul liderará esta lista negativa ao agregar mais 11 milhões de menores que viverão na pobreza; A América Central e o México, com quase 4 milhões a mais, e o Caribe, mais um milhão.Como consequência direta, em muitos países da América Latina, as crianças e adolescentes, em vez de irem à escola, trabalhar em minas, fábricas de tijolos ou móveis, limpar janelas de carros ou trabalhar em solo rochoso em tempo integral.Eles ganham alguns centavos ou, no máximo, alguns dólares por dia para tentar colocar um pouco de comida na mesa da família. Além da mão de obra clandestina, os menores não contam com nenhum suporte social nem recebem benefícios sociais em caso de doença ou acidente.O Fundo das Nações Unidas para a Infância e a Educação (UNICEF) indica que 600 milhões de crianças vivem na pobreza; 131 milhões têm o direito à educação negado; 352 milhões são necessários para trabalhar; mais de dois milhões são forçados à prostituição ou usados ​​em pornografia, e um número muito alto morre de doenças evitáveis ​​ou é vítima de tráfico de pessoas.Em meio à crise da Covid-19, os alunos estão abandonando os sistemas escolares precários, enquanto o fechamento de escolas afetou mais de 1,5 bilhão de crianças em todo o mundo e o Unicef ​​estima que o número pode permanecer em aumentar.Esta organização das Nações Unidas lembra que a América Latina já era uma região desigual antes da chegada da pandemia, um dos motivos para o aumento da pobreza entre os menores e que em 2020 a região pode acabar com mais de 11,6 milhões de desempregados que terão um impacto em maior discriminação infantil.O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) destaca que na América Latina o panorama é muito complexo se levarmos em conta que até 60% das crianças entre 0 e 4 anos pertencem a famílias onde os pais não trabalham ou sofrem com más condições de trabalho .A Covid-19, dizem especialistas da ONU, causou um retrocesso de 10 anos em toda a região, dando uma virada de 180 graus nas pequenas conquistas que haviam sido feitas na luta contra a pobreza infantil.

Em nível global, a organização não governamental Oxfam indica que a insegurança enfrentada por muitas famílias diante da nova pandemia de coronavírus se deve ao fato de que a maioria dos governos não implementou políticas eficazes em matéria de saúde fiscal e saúde nas últimas décadas. isso reduziria a diferença entre ricos e pobres, o que tornaria as economias mais resistentes aos choques atuais. Por essas razões, espera-se que em 2021, entre 300 e 500 milhões de pessoas ingressem nas fileiras dos pobres porque a pandemia causou uma queda no investimento estrangeiro nos países em desenvolvimento, um grande declínio na economia do turismo, um declínio no preço das matérias-primas agrícolas e na perda de empregos. Nesse contexto, a secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina (CEPAL), Alicia Bárcena, informou que “em 2020 haverá uma queda do investimento estrangeiro no mundo de 40% e na América Latina entre 45% e 55%. %, ou seja, a região onde o investimento estrangeiro direto mais cairá ”. Na América Latina, para minimizar essa situação precária, é necessário que os governos promovam políticas sociais que beneficiem as grandes maiorias empobrecidas. Para isso, regimes como o colombiano, brasileiro, chileno, equatoriano, paraguaio, guatemalteco, hondurenho, salvadorenho, entre outros, devem romper os laços neoliberais que lhes são impostos pelos Estados Unidos por meio de organismos financeiros internacionais. Como ponto culminante, pode-se afirmar sem equívocos que a aplicação do neoliberalismo falhou na América Latina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.